Ebook Collection EN/PT - The Offense of the Cross

The Offense of the Cross
C. H. SPURGEON
English Português
“And I, brethren, if I still preach circumcision, why do I still suffer persecution? Then is the offense of the Cross ceased.” (Galatians 5:11)

The religion of Jesus is the most peaceful, mild and benevolent religion which was ever promulgated.

When we compare it with any set of dogmas invented by men, there is not one of them that can stand the least comparison with it for gentleness, mildness and love.

As for the religion of Mohamed, it is the religion of the vulture—but the religion of Jesus is that of the dove—all is mercy, all is mild.

It is, like its Founder, an embodiment of pure benevolence, Grace and truth.


And yet, strange to say, gentle as the Gospel is, and inoffensive as its professors have always proved themselves to be, when they have acted rightly—not resisting evil, but submitting to it, whatever it might be—yet there has never been anything which has caused more disturbance in the world than the Christian religion!

It is not a sword and yet it has brought war into the world.

It is not a fire and yet it has consumed many old institutions—and has burned much that men thought would last forever.



It is the Gospel of peace and yet it has parted the dearest friends and caused terrible feuds and confusions everywhere!


Though in itself it is all gentleness, yet it seems as if the standard of the dove were the standard of battle and as if raising up the peaceful Cross had been the signal for war, like the blood-red fiery Cross which of old they passed through Scotland to summon the clans to battle!


Strange, yet strangely true it is, that the Cross of Christ has always been an offense and that it has provoked the fiercest battles and the sternest strifes which men have ever had with their fellow men.

In considering our text I shall, first, speak to you a little concerning what “the offense of the Cross” is.


Secondly, as to how men show their offense against the Cross.


Thirdly, I shall have a little to say to those who are offended at the Cross, to show them their folly.

And, lastly, I shall conclude by an inference or two, for the special benefit of Christian ministers and the Church at large.

I. Let us enquire, first, WHEREIN DOES “THE OFFENSE OF THE CROSS” CONSIST?

Our limits forbid any attempt to be elaborate and we commence by saying that “the offense of the Cross” lies, first, in the way in which it deals with all human wisdom.


The philosopher puts his glasses to his eyes, looks at the Cross and then says,

“I cannot see anything so very wonderful in it—even with these splendid glasses of mine, which can see more than that poor, humble peasant!

I do not care about such a system of religion as that—any simpleton can understand the Cross.”

So he passes by and merely sneers at it.

The man who loves controversy comes to the Gospel and finds that there is in it pure dogmatism.

Such things are said to be true and sinners must believe them—or else be damned.

“I shall not do so” he says.

“I shall not yield implicit faith to the Gospel.

I like disputing upon points of doctrine.


I like to argue against them.

I shall not listen to your preacher who says,

"This is the Truth of God, the whole Truth of God and nothing else but the Truth."


I will not hear the man who speaks thus authoritatively!

I like men who will give me margin enough to doubt, who let me believe what I like and no more.


I prefer to use my reason and common sense.”

When you come to talk with him about the religion which says,

“Believe that or else be lost. Believe that or else be shut out of the pale of salvation,”

he turns on his heels and says,


Page 1


“I will not believe any such thing!”


And when he asks what it is he is to believe, he professes himself to be wiser than the Word of God!

“What?” he says, “believe in the Atonement?

I can’t—it is contrary to my common sense.

Believe the Doctrine of Election?

Why, it shocks my humanity!

Believe in the total depravity of human nature and the impossibility of being saved without being born again?

Why, I cannot receive such teaching for a single moment!

It is contrary to all that the scholars have ever taught and different from what any philosopher ever would have invented!

So I shall not receive it.”

And he turns away with an anathema against the Cross.

He cannot bear it because of its great simplicity!

If he could describe it as being so amazing that he could by no means make the common people comprehend it—and that it was only because of his gigantic intellect that he was able to understand it, himself—he would not mind accepting it!


But as it is so plain and simple, he turns away from it in disgust.

He cannot bear the Gospel of the Cross—it has not worldly wisdom enough in it for him—and he either does not know or he forgets that the knowledge of Christ Crucified is the most excellent of all the sciences, and that never is reason so glorified as when it humbly sits down under the shadow of the Cross!


But there is something in the Cross of Christ which hurts men’s pride even more than this!

And that is, it is opposed to all their notions of human ability.

The man who is relying for salvation on his own strength does not like the Doctrine of the Cross.

If anyone preaches a gospel which tells the sinner that he has power to save himself—if he preaches a gospel which says that Christ, having died to put all men in a salvable condition, they have only to exercise the power they have and they will be able to deliver themselves—if a man thus preaches something which exalts the skill and strength of the creature—he will never offend his unregenerate hearers!


But if he once begins to cast the sinner down in the dust and to teach what Christ Himself taught—

“No man can come to Me except the Father which has sent Me draw him”

—and that, in the Scriptures, all men are declared to be “dead in trespasses and sins,”

then the proud sinner will turn away and say:

“I am not going to be so insulted, to have all my powers leveled to the ground!


Am I to be made into a mere machine, or into a piece of clay and to lie passive in the Potter’s hands?

I will not submit to such an indignity!”

If the minister will give him a little to do, himself, and let him sacrifice a little to his own idol, he will drink down the false doctrine as the ox drinks down water!

But since we tell him he is powerless, like the poor bleeding man when the Samaritan met him, he says:


“I will have nothing to do with you!”

And the Cross offends men, yet again, because it goes clean contrary to their ideas of human merit.

There is not a soul in all the world that, by nature, loves to be stripped of all merit.


No, the last thing a man likes to part with is his righteousness.

I have known poor sinners stand on Sinai’s top until their knees knocked together, yet they have clung to their self-righteousness even there!

I have known men stand where God’s earthquakes were shaking the ground under their feet and the thunder and lightning were playing above their heads, yet they still held fast to their self-righteousness!

It is a hard thing to get that away from men.

You know how Bunyan says that when Great-Heart slew Giant Despair, the giant


“had, as they say, as many lives as a cat.”


And I am sure that self-righteousness has many more lives than that—it is the hardest thing in the world to kill!

You may cut the evil weed, self-righteousness, up, but when you think you have got to the last root of it, it will be shooting up again before you can sharpen your knife to cut it up once more!


This evil thing is bred in man’s nature.


When you preach against it, see how men will roar at you—they cannot bear that teaching!


I sometimes receive letters from persons who say:

“We would not be surprised if all your congregation were to live in sin because you are always preaching against man’s righteousness and inviting poor sinners to come to Christ by simple faith—and to be saved by Grace, alone.”


I daresay they would not be surprised if such a thing were to happen, but I would be surprised if my people, as a whole, lived in sin!

I bless God that I have no cause to wonder about that matter, for a holier people you will not find this side of Heaven than those who receive into their hearts the Doctrine of Christ’s Imputed Righteousness.

This I will say of them, that Grace has worked good fruits in them, that they walk in the fear of the Lord, in love to one another and in the practice of uprightness and godliness.

But men of the world cannot stand this teaching because it makes nothing of the merits of which they think so much!


Tell men that they are a very good sort of folk—they love to hear that!

Give people a good compliment of themselves and they will like to listen to you—but that self-conceit is the ruin of tens of thousands!

I am sure it is only when we begin to say:


Page 2


“I’m a poor sinner, and nothing at all, But Jesus Christ is my All-in-All”


—that we are saved.

But as long as we are content with ourselves in our natural sinful condition, there is not the slightest hope for us.


So, you see, this is “the offense of the Cross,” that we do not let men trust in their own merits!

But there is another offense which is a very grievous one and the world has never forgiven the Cross that “offense” yet—it will not recognize any distinctions between mankind.

The Cross makes moral and immoral persons go to Heaven by the same road!

The Cross makes rich and poor enter Heaven by the same door!

The Cross makes the philosopher and peasant walk on the same highway of holiness!

The Cross procures the same crown for the poor creature with one talent that the man with 10 talents shall receive.


Therefore, the wise man says:

“What? Am I to be saved by the same Cross which saves a man who does not know his letters?”

Your fine lady asks:

“Am I to be saved in the same fashion as my servant girl?”

The gentleman says,

“Am I to be saved the same way as that chimney-sweep?”

And he who boasts of his selfrighteousness cries:

“What? Am I to jostle against a harlot, to elbow a drunk on the road to Heaven? Then, I will not go to Heaven at all.”


Then, Sir, you will be lost!

There are no two roads to Heaven—it is the same road for everyone who goes there—and therefore, the Cross has always been offensive to men of mark and might.

Few kings and queens have ever bent humbly before it.

Men have covered up the Cross with some fine decorations and they have said that they loved it—but it was not the Cross they cared for—it was the gaudy ornaments!

If it had been the simple Cross, they would have dragged it through the streets, as Mohamed’s people did with the cross at Jerusalem.

II. This brings me now to tell you, in the second place, HOW PERSONS SHOW THEIR OFFENSE AGAINST THE CROSS OF CHRIST.

In olden times they did it by burning, torturing and tormenting Christians, making them suffer all kinds of indescribable agonies.

But that method did not work, so the devil now adopts other measures.

He found that the more he oppressed them, like Israel in Egypt, the more they multiplied—so now he acts in another fashion.

How does he do it?

Not exactly by open persecution, but “the offense of the Cross” shows itself, sometimes, by private persecution.


You do not, all of you, hear of the persecution that is going on with regard to the Lord’s people.

Every now and then things of this sort come to my notice, though you may not know of them.

How many drunk husbands there are who persecute their wives almost incessantly because they cleave fast to God? How many a young man, how many a young woman is there who is called to suffer persecution from father and mother and sister and brother, for Christ’s sake?

Persecution is not over—it works slyly and comes not out openly before the world.

It comes not out into Smithfield, as it did of old, though there may be many a house in the neighborhood of Smithfield that reeks with it.

It comes not out in an honest garb, but watches for its prey in a covert way.

It is not the lion, but the prowling jackal, though it is as wild and as ravenous as ever.

And when persecution does not display itself in positive acts, it operates by means of jeers and scoffs—by the shrug of the shoulder and, let me say, more men have been ruined by this practice than by the worse slanders!

Men who shrug their shoulders generally do a deal of mischief, though they may not know it.

When, sitting at table, I have mentioned a person’s name and someone has shrugged his shoulders and said,

“Oh”—the man’s character was half gone!


If the person had anything to say against the other, why could he not say it right out and not leave us in the dark to surmise all manner of iniquities?


Another man will say, “I don’t wish to persecute you. You can go to Chapel as often as you like.”

Yet there is, on his face, the cold sneer and on his lips, the cruel jest or slander!


Every idle rumor is circulated and everything that can be invented against the minister of the Gospel and against Christian people—all still showing that there is now—as there was in the days of the Apostles, an “offense of the Cross.”

But I will tell you what is the favorite plan, nowadays.

It is not to oppose the Cross, but to wind round the Cross and try to get the Cross to alter its shape a little.

Men who hate the Doctrines of the Cross, say,

“We, too, preach the Gospel.”

They alter it. They misshape it.

They make it “another gospel, which is not another.”

Let others say, if they will, that yes and no can meet together, that fire and water can kiss each other, that Christ and Belial can be twins—the true minister of Jesus Christ cannot do that!


Truth is Truth and whatever is the opposite of it cannot be truth.

The Truth of God is one and that which opposes it must certainly be error and falsehood.

But it is the fashion to try to blend the two things together.

Look at very many of the churches—they say that they hold to the Truth of God.

Look at their articles—they have all the five points of Calvinism.

And if you ask the ministers whether they believe the Doctrine of Election—“Certainly,” they reply.

If you ask them whether they believe all the great cardinal Truths of the Gospel, they say:

“Oh, yes, certainly we believe them! But we do not think they ought to be preached to the common people.”


Page 3


Ah, Sirs! You have a fine notion of yourselves if you do not think that “the common people” are as good as you are and that they can receive the Doctrines of Grace as well as you can!


“Oh, but those doctrines are dangerous! They drive the people to Antinomianism”


They say this, but when we write to them, they reply:

“Oh, we are as sound as you are!”


Yes, but it is one thing to be sound, and another thing to preach sound Truth!

I will never believe a man to be better than what he preaches.

If a man does not proclaim “the Truth of God, the whole Truth of God, and nothing but the Truth,” we like him none the better, but 10 times worse because he says that he believes it!

We would rather he did not believe it at all than that he should conceal his real sentiments.

Such men, who hide the Truth of God, prove that they are as much offended with the Cross as if they openly tried to refute its doctrines!


God send us the day when the pure, unadulterated Doctrines of the Grace of God, which is in Christ Jesus, shall be proclaimed in every church and heard in every street and received by every professed Christian!

III. Now I come, in the third place, TO SAY SOMETHING TO THOSE WHO ARE OFFENDED AT THE CROSS.


First, let me say that it is very foolish of a man who does not believe the Gospel to oppose those who do.


If a man does not, himself, love the Gospel, he should leave alone other people who do.

You have often heard the old fable of the dog in the manger, but here is something worse—here is the dog out of the manger—he does not even lie on the hay, and yet he barks at those that come to feed upon it!

He does not love the Gospel and because others do, he hates them!

Why, surely, what you do not want yourselves, you might let other people have in quietness!


You need not oppose them for carrying away what you count worthless rubbish!


Why should you be so offended and endeavor to make a stand against the Truth of God, since you cannot, in your present condition, get anything out of it and may burn your fingers for your pains?


Then, next, how foolish it is to be offended at the Cross, seeing that you cannot stop its progress!

He who should place himself before Juggernaut’s car to be crushed would be as wise as you who are opposing the Gospel.

If it is true, remember,

“The Truth of God is mighty and must prevail.”

Who are you to attempt to stand against it?

You will be crushed, but let me tell you that when the car goes over you, the wheel will not be raised even an inch by your size!


For what are you?

A tiny gnat, a creeping worm which that wheel will crush to less than nothing and not leave you even a name as having been an opponent of the Gospel!


There have been men who have stood up and said:

“We will stop the chariot of Christ.”

Thousands have looked at them and have been afraid.

Their trumpets have blown loud and long and some poor Christians have said, “Stand aside!

Here comes a man who will stop the chariot of the Lord Jesus.”

At one time, it was Tom Paine.

Then it was Robert Owen.

But what became of them?

Did the chariot stop for them?

No, it went on just as if there had never been a Tom Paine or a Robert Owen on the earth!

Let all the infidels in the world assuredly know that the Gospel will win its way, whatever they may do.


Poor creatures!

Their efforts to oppose it are not worthy of our notice and we need not fear that they can stop the Truth of God!


As well might a gnat think to quench the sun!

Go, tiny insect, and do it, if you can!


You will only burn your wings and die.

As well might a fly think it could drink the ocean dry.

Drink the ocean, if you can—more likely you will sink in it and so it will drink you!


You who despise and oppose the Gospel, what can you do?

It comes on “conquering and to conquer.”


I always think that the more enemies the Gospel has, the more it will advance.


As the old warrior said:

“The more enemies there are, the more there are to be killed, the more there are to be taken prisoners and the more there are to run away.”


Double your hosts, you opposers! Come on against us with a still mightier power!

Rage yet more loudly!

Slander us yet more foully!


Do what you can, victory is ours, for it is predestinated!

The massive column of Divine Predestination stands firm and on its top there are the eagle wings betokening victory for every Believer and for the whole Church of Christ!

God’s Truth must and shall conquer, therefore, do you, foolish creature, hope to oppose the Gospel because it offends you?

The Stone cut out without hands cannot be broken by you—but if it fall upon you, it will grind you to powder!

But another thought, and I have done with this part of my subject.


O man, if you hate the Gospel, let me solemnly say to you how doubly foolish you are to be offended with Christ, who is the only One who can save you!


As well might the drowning man be offended with the rope which is cast to him and which is the only means of his escape!

As well might the dying patient be offended with the cup of medicine which is put to his lips and which, alone, can save his body from death!

As well might the man whose house is burning be offended with the fireman who roughly puts the fire escape ladder against his window—as that you should be offended with Christ!


Offended with Him who would snatch you as “a brand from the burning”?

Offended with Him who, alone, can quench for you the fire of Hell?

Offended with Him whose blood, alone, can wash you white and give you a place with Him in Glory everlasting?



Page 4


Offended with Him? Then you are mad, indeed!

Not Bedlam, itself, can produce a maniac more foolish than you are!

Ah, you despisers, you shall wonder and perish!

You are offended with the Gospel because it says that you have not any merit, but you have not any—then why are you offended?


You are offended at the Gospel because it does not ask anything of you in order that you may be saved, yet if it did demand anything of you as a condition of your salvation, you would be lost!


It is just the Gospel for you—it is made on purpose—it fits your condition!


It is adapted to your case and yet you are offended with it?

Oh, how can you be so foolish?

Did you ever hear of a man who was offended with a coach that was carrying him because it had wheels?

Why should you be offended with the Gospel chariot because it could not advance except on the wheels of Free Grace? What?

You are offended with the Gospel because it lays you low?


Don’t you know that it is the very best place for you?

The devil would have you very high if he could, but that would be only that he might ruin you!

My dear Friends, I beseech you, in the name of the Lord Jesus Christ, Himself, think about why you are offended with the Gospel!

I know it goes against your prejudices.


When you first hear it, you do not love it, but, remember, it is your only hope of salvation.

Are you offended with that which alone can save you?

Offended with that which can put a crown on your head, a palm branch in your hand and give you bliss forever?


Then, I think when you sink to Hell, you will look up to Heaven and say:


“Ah, Christ!

I was offended with You, but now I see that You are the only Savior.

I hated Your name, of which it is written, ‘At the name of Jesus, every knee shall bow.’

I hated that Savior who was the only Savior to redeem sinners from sin.”


IV. Lastly, I am TO DRAW ONE OR TWO INFERENCES.

The first is this, If the Cross of Christ is an offense and always was an offense, what is the reason why so many professed Christians go on so easily from January to December and never have any trouble about it?

Old John Berridge said:

“If you do not preach the Gospel, you may sleep soundly enough. But if you preach it faithfully, you will hardly have a sound place in your skin, for you will soon have enemies enough assailing you.”



How is it that we never hear of any slander against a great many ministers?


Everything goes easily and comfortably with them.

Nobody is ever offended with their preaching.

The most effective sermons are those which make opposers of the Gospel bite their lips and gnash their teeth.

“That preaching is worth little,” Rowland Hill used to say,

“that cannot make the devil roar. He preaches but very little of the Truth of God who does not set the old lion roaring against him.”

Depend upon it, Satan does not like the Gospel any better than he did—and the world does not like the Gospel any better than it did—and if there is not, nowadays, so much persecution and hatred as there used to be, it is because men do not proclaim the plain, simple Truth of God as their forefathers did!


People go to hear nice velvet-tongued preachers.

They like the minister to prophesy smooth things to them!

“I won’t go to hear Mr. So-and-So,” says one, “for he will be sure to offend me.”


Now what is the reason for this? It is because he preaches the whole Gospel, the pure Truth of God!

But do men imagine that we want to offend them? No, God knows the hard things we often say cause us more pain than they cause to our hearers.



But it is a good thing when we care little for the opinion of men and when we have learned to live above the world.


Once let ministers faithfully proclaim the plain, simple Gospel, and we shall soon hear the laughter, scorn and jeers.


It was an ill day when the sons of God made affinity with the daughters of men.


And it will be an ill day for the Church of Christ when the world speaks well of it and everybody commends it.

The denomination that is most spoken against is usually the one where Christ most dwells!

But the denomination that is flowing in plenty and dandled on the knees of honor is usually the most corrupt!

Preach the Gospel boldly, steadfastly, steadily, strongly, out-and-out—and you will not be long without hearing something about “the offense of the Cross.”


My last remark is this.

O my Brothers and Sisters, how many reasons we have to bless and extol our gracious God if the Cross of Christ is not an offense to us!

I hope many here can unite with me in saying that there is nothing in the Bible that offends us and there is nothing in the Gospel that now offends us.

If there is anything you do not understand, you do not hate it—if it seems dark and mysterious, you do not reject it, but you are willing to learn all you can about it.



Page 5


Ah, my God, if all I have ever preached is false, I stand prepared to disown it when You shall teach me better!

If all I have ever learned is a mistake and I have not learned it from You, I will not be ashamed to recant it in that hour when You shall, Yourself, teach me and show me my error.

We are not ashamed to bring ourselves wholly into the mold of Scripture, to take it just as it stands, to believe it and to receive it.

And if you are in that state, mark you, you are saved, for no man can say that he accepts the Gospel wholly, loves it all, and receives it in his heart—and can yet be a stranger to it!


I have heard preachers ignorantly talk about “natural” love to the Gospel—there cannot be such a thing!

I heard someone say that there was a “natural” love to Christ—it is all rubbish!

Nature cannot beget a love to Christ, nor love to any good thing—that must come of God, for all love is from Him!


There is nothing good in us by nature.


Every conviction must, in some way or other, come from the Holy Spirit.

Even if it is a temporary one, it must be traced to Him if it is good.

Oh, let us adore, exalt and magnify the mighty Grace that has made us love the Gospel!

For I am sure, with some of us, there was a time when we hated it as much as any people in all the world ever did.


Old John Newton used to say:

“You who are called Calvinists—though you are not merely Calvinists, but the old, legitimate successors of Christ—you ought, above all men, to be very gentle with your opponents, for, remember, according to your own principles, they cannot learn the Truth of God unless they are taught of God.



And if you have been taught of God, you ought to bless His name—and if they have not, you should not be angry with them, but pray to God to give them a better education.”

Do not let us make any extra “offense of the Cross” by our own ill humor, but let us show our love to the Cross by loving and trying to bless those who have been offended with it.

Ah, poor Sinner, what do you say? Are you offended with the Cross? No, you are not, for it is there that you wish to lose your sins.

Do you desire this moment to come to Christ? You say:

“I have no offense against Christ. Oh, that I knew where I might find Him! I would come, even, to His seat.”


Well, if you want Christ, Christ wants you; if you desire Christ, Christ desires you!


Yes, more!

If you have one spark of desire after Christ, Christ has a whole burning mountain of desire after you.

He loves you more than you can ever love Him!

Rest assured that you are not first with God.

If you are seeking Jesus, He has first sought you.

Come, then, you destitute, weary, lost, helpless, ruined, chief of sinners!


Come, put your trust in His blood and His perfect righteousness, and you will go on your way rejoicing in Christ, set free from sin, delivered from iniquity, rendered as safe, though not as happy, as the very angels that now sing high hosannas before the Throne of the Most High!



Page 6


“Eu, porém, irmãos, se prego ainda a circuncisão, por que sou, pois, perseguido? Logo o escândalo da cruz está aniquilado.” (Gálatas 5:11)

A religião de Jesus é a mais pacífica, suave e benevolente que jamais foi promulgada.

Quando se compara com qualquer conjunto de dogmas inventados por homens, nenhum deles pode resistir à menor comparação com ele por gentileza, suavidade e amor.

Quanto à religião de Maomé, é a religião do abutre, mas a religião de Jesus é a da pomba – tudo é misericórdia, tudo é suave.

Ela é, como Seu Fundador, uma personificação da pura benevolência, Graça e verdade.

E, no entanto, por estranho que pareça, suave como o Evangelho é, e inofensivo como os seus professantes sempre provaram ser, quando eles agiram corretamente, – não resistindo ao mal, mas submetendo-se a ele, qualquer que seja – contudo nunca houve qualquer coisa que tem causado mais perturbação no mundo do que a religião Cristã!

Não é uma espada e ainda assim trouxe a guerra para o mundo.

Não é um incêndio e ainda que tenha consumido muitas antigas instituições antigas – E tenha consumido muito do que os homens pensaram que iria durar para sempre.

É o Evangelho de paz e ainda tem separado os amigos mais queridos e causado contendas terríveis e confusões em todos os lugares!

Embora, por si só, ele seja todo gentileza, ainda assim parece que o estandarte da pomba foi o estandarte da batalha e como se o levantar da pacífica Cruz houvesse sido o sinal para a guerra, como a Cruz ardente vermelho-sangue que antigamente passava pela Escócia para convocar os clãs para a batalha!

Estranho, mas estranhamente verdadeiro é, que a cruz de Cristo tem sido sempre uma ofensa e que tem provocado as mais ferozes batalhas e as lutas mais severas que os homens já travaram com seus semelhantes.

Ao considerar o nosso texto eu, em primeiro lugar falarei a vocês um pouco concernente ao que é “o escândalo da cruz”.

Em segundo lugar, a forma como os homens mostram sua ofensa contra a Cruz.

Em terceiro lugar, terei um pouco a dizer para aqueles que estão ofendidos com a cruz, para mostrar-lhes a sua loucura.

E, por último, vou concluir com uma inferência ou duas para o benefício especial de ministros cristãos e da Igreja em geral.

I. Vamos perguntar, em primeiro lugar, EM QUE CONSISTE “O ESCÂNDALO DA CRUZ”?

Nossas limitações proíbem qualquer tentativa de ser elaborado e nós começamos por dizer que “o escândalo da cruz” está, em primeiro lugar, na maneira em que ele lida com toda a sabedoria humana.

O filósofo coloca seus óculos nos olhos, olha para a Cruz e, em seguida, diz:

“Eu não posso ver nada tão maravilhoso nela – mesmo com essas minhas esplêndidas lentes, que podem ver mais do que o pobre, humilde camponês!

Eu não me importo com um tal sistema de religião como este – qualquer simplório pode entender a Cruz”.

Então ele passa e apenas zomba dela.

O homem que ama a controvérsia vem para o Evangelho e descobre que há nele puro dogmatismo.

Tais coisas são ditas ser verdadeiras e pecadores devem acreditar nelas - ou então serão condenados.

“Não vou fazer isso”, diz ele,

“Eu não renderei fé implícita ao Evangelho.

Eu gosto de disputar sobre pontos de doutrina.

Eu gosto de argumentar contra eles.

Não vou ouvir o seu pregador que diz:


“Essa é a Verdade de Deus, toda a verdade de Deus e nada mais que a verdade”.

Não vou ouvir o homem que fala assim com autoridade!

Eu gosto de homens que me dão margem suficiente para duvidar, que me fazem acreditar no que eu gosto e nada mais.

Eu prefiro usar minha razão e bom senso”.

Quando você vem para falar com ele sobre a religião que diz:

“Acredite nisto ou então estás perdido. Creia ou então será claramente excluído da salvação”,

ele gira em seus calcanhares e diz:


Página 1


“Eu não vou acreditar em qualquer coisa!”

E quando ele pergunta o que é para acreditar, ele professa ser mais sábio do que a Palavra de Deus!

“O quê?”, Diz ele, “acreditar na Expiação?

Eu não posso - é contrária ao meu bom senso.

Crer na doutrina da eleição?

Como, choca a minha humanidade!

Crer na depravação total da natureza humana e na impossibilidade de ser salvo sem nascer de novo?

Por que, eu não posso receber esse ensinamento por um único momento!

É contrário a tudo o que os estudiosos já ensinaram e difere do que qualquer filósofo jamais teria inventado!

Portanto, não a receberei”.

E ele se afasta com um anátema contra Cruz.

Ele não pode suportá-la por causa de sua grande simplicidade!

Se ele pudesse descrevê-la como sendo tão maravilhosa que ele não seria capaz de fazer as pessoas comuns compreendê-la – E que era só por causa de seu intelecto gigantesco que ele foi capaz de compreendê-la, por si mesmo – ele não se importaria de aceitá-la!

Mas como é tão clara e simples, ele se afasta dela em desgosto.

Ele não pode suportar o Evangelho da Cruz – ele não possui sabedoria mundana suficiente para ele, e ele ou não sabe ou se esquece de que o conhecimento de Cristo Crucificado é a mais excelente de todas as ciências, e que nunca a razão é mais glorificada do que quando humildemente se senta sob a sombra da Cruz!

Mas há algo na Cruz de Cristo, que fere o orgulho dos homens ainda mais do que isso!

E isso é, ela se opõe a todas as suas noções de capacidade humana.

O homem que está contando com sua própria força para a salvação não gosta da doutrina da cruz.

Se alguém lhe pregasse um evangelho que diz que o pecador tem o poder de salvar a si mesmo – se lhe pregasse um evangelho que diz que Cristo, tendo morrido para colocar todos os homens em condições salvável, eles só têm de exercer o poder que possuem e eles serão capazes de entregarem-se – se um homem pregasse, portanto, algo que exalta a habilidade e a força da criatura – ele nunca ofenderia seus ouvintes não regenerados!

Mas se uma vez ele começa a lançar o pecador no pó e ensinar o que o próprio Cristo ensinou –

“Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não o trouxer”

– e que, nas Escrituras, todos os homens são declarados como sendo “mortos em delitos e pecados”,

então o pecador orgulhoso vai se virar e dizer:

“Eu não vou ser tão insultado, por ter todos os meus poderes nivelados ao chão!

Estou feito em uma mera máquina, ou em um pedaço de argila e jazendo passivo nas mãos do Oleiro?

Não vou submeter-me a tal indignidade!”

Se o ministro lhe der um pouco a fazer, ele mesmo, e deixá-lo sacrificar um pouco ao seu próprio ídolo, ele vai beber a falsa doutrina como o boi bebe água!

Mas visto que dizemos que ele é impotente, como o pobre homem sangrando quando o samaritano o encontrou, ele diz:

“Eu não terei nada a ver com você!”

E a Cruz ofende os homens, mais uma vez, porque vai claramente contra suas ideias de mérito humano.

Não há uma alma em todo o mundo que, por natureza, gosta de ser despojada de todo o mérito.

Não, a última coisa que um homem quererá separar-se é a sua justiça.

Eu conheci pobres pecadores ficarem no cume do Sinai até que seus joelhos batiam um no outro, mas eles se apegaram à sua auto justiça, mesmo ali!

Eu conheci homens que estando onde os terremotos de Deus estava sacudindo o chão sob seus pés e os trovões e relâmpagos estavam jogando acima de suas cabeças, mas eles ainda aferraram-se à sua auto justiça!

É uma coisa difícil de retirar isso dos homens.

Vocês sabem como Bunyan diz que quando Grande-Coração matou Gigante Desespero, o gigante

“teve, como se costuma dizer, tantas vidas quanto um gato”.

E estou certo de que a auto justiça tem muitas mais vidas do que isso – é a coisa mais difícil do mundo de matar!

Você pode cortar a má erva daninha, justiça própria, para cima, mas quando você pensa que tem a última raiz dela, ela vai estar brotando novamente antes de afiar a faca para cortá-la mais uma vez!

Este mal é produzido na natureza humana.

Quando você pregar contra ela, verá como os homens rugirão para você – eles não podem suportar esse ensinamento!

Às vezes eu recebo cartas de pessoas que dizem:

“Não ficaria surpreso se toda a sua congregação estivesse vivendo em pecado, pois você está sempre pregando contra a justiça do homem e convidando os pobres pecadores para vir a Cristo pela fé simples, e ser salvo pela Graça, somente”.

Eu ouso dizer que não ficaria surpreso se tal coisa acontecesse, mas eu ficaria surpreso se o meu povo, como um todo, vivesse em pecado!

Eu louvo a Deus que eu não tenho motivo para pensar sobre esse assunto, pois um povo mais santo você não vai encontrar deste lado do Céu do que aqueles que recebem em seus corações a Doutrina da Justiça Imputada de Cristo.

Isto eu vou dizer deles, que a Graça tem operado bons frutos neles, que eles andam no temor do Senhor, em amor uns para com os outros e na prática da retidão e santidade.

Mas os homens do mundo não podem suportar este ensinamento porque reduz a nada seus méritos que eles pensam serem muitos!

Diga aos homens que eles são um bom tipo de gente - eles gostam de ouvir isso!

Dê às pessoas um bom elogio de si mesmas e elas vão gostar de ouvi-lo – mas a presunção é a ruína de dezenas de milhares!

Tenho certeza de que somente quando começamos a dizer:

Page 2


“Eu sou um pobre pecador, e absolutamente nada, mas Jesus Cristo é o meu Tudo-em-Todos”

– é que seremos salvos.

Mas enquanto estamos contentes com nós mesmos, em nossa condição pecaminosa natural, não há a menor esperança para nós.

Então, você vê, este é “o escândalo da Cruz”, [isto é] que os homens não deixam de confiar em seus próprios méritos!

Mas há um outro escândalo que é muito grave e o mundo nunca perdoou a Cruz, que “ofende” ainda - ela não vai reconhecer quaisquer distinções entre a humanidade.

A Cruz faz com que pessoas morais e imorais vão ao céu pelo mesmo caminho!

A Cruz faz com que ricos e pobres entrem no Céu pela mesma porta!

A Cruz faz com que o filósofo e camponês caminhem no mesmo caminho da santidade!

A Cruz adquire a mesma coroa para a pobre criatura com um talento assim como o homem com 10 talentos receberá.

Portanto, o homem sábio diz:

“O quê? Devo ser salvo pela mesma cruz que salva um homem que não conhece suas letras?”

Sua distinta senhora pergunta:

“Devo ser salva da mesma forma como a minha jovem serva?”

O senhor diz:

“Devo ser salvo da mesma maneira que limpa-chaminés?”

E aquele que se orgulha de sua justiça própria clama:

“O quê? Devo acotovelar contra uma prostituta, [ou] até ao cotovelo de um bêbado na estrada para o Céu? Então, eu não vou para o céu de modo algum”.

Então, senhor, você estará perdido!

Não há dois caminhos para o céu, é o mesmo caminho para todos que vão para lá e, portanto, a Cruz sempre foi ofensiva para homens nobres e de poder.


Poucos reis e rainhas já se inclinaram humildemente diante dela.

Os homens têm coberto a Cruz com algumas decorações finas e eles disseram que a adoraram, mas não era a cruz que importava, era os enfeites vistosos!

Se tivesse sido a simples Cruz, teriam arrastado pelas ruas, como povo de Maomé fez com a cruz em Jerusalém.


II. Isto leva-me agora a dizer-lhes, em segundo lugar, COMO AS PESSOAS MOSTRAM SUA OFENSA CONTRA A CRUZ DE CRISTO.

Nos tempos antigos o fizeram por queimar, torturar e atormentar cristãos, fazendo-os sofrer todos os tipos de agonias indescritíveis.

Mas esse método não funcionou, então o Diabo agora adota outras providências.

Ele descobriu que quanto mais ele os oprime, como Israel no Egito, tanto mais se multiplicavam – agora ele age de outra maneira.

Como ele faz isso?

Não exatamente pela perseguição aberta, mas “o escândalo da cruz” mostra-se, às vezes, pela perseguição privada.

Você não, todos vocês, ouvem a perseguição que está acontecendo em relação ao povo do Senhor.

De vez em quando coisas deste tipo vêm ao meu conhecimento, mas você podem não saber delas.

Quantos maridos bêbados há que perseguem suas esposas quase incessantemente porque elas apegaram-se firme a Deus? Quantos jovens, quantas jovens há que são chamados a sofrer perseguição de pai e mãe, irmã e irmão, pelo amor de Cristo?

A perseguição não acabou - ela funciona maliciosamente e não sai abertamente perante o mundo.

Não sai em Smithfield, como fez no passado, embora possa haver muitas casas na vizinhança de Smithfield que fede a isto.

Não sai em um traje honesto, mas olha para a sua presa de forma secreta.

Não é o leão, mas o chacal rondando, embora seja tão selvagem e tão voraz como sempre.

E quando a perseguição não se exibe em atos positivos, opera por meio de vaias e zombaria - pelo encolher de ombros e, deixe-me dizer, mais homens foram arruinados por esta prática do que pelas piores calúnias!

Homens que encolhem os ombros geralmente fazem um trato de malícia, embora eles possam não saber disso.

Quando, sentado à mesa, eu mencionei o nome da pessoa e alguém deu de ombros e disse:

“Oh” – o caráter do homem estava meio desaparecido!

Se a pessoa tinha algo a dizer contra o outro, por que ele não poderia dizer isso direito para fora e não nos deixar no escuro a supor toda sorte de iniquidades?

Outro homem vai dizer: “Eu não quero perseguir você. Você pode ir à Capela tão frequentemente como você gosta.”

No entanto, há, em seu rosto, o sorriso de escárnio e frieza nos lábios, a cruel brincadeira ou difamação!

Cada rumor ocioso é circulado e tudo o que pode ser inventado contra o ministro do Evangelho e contra o povo cristão - todos ainda mostrando que existe agora, como houve nos dias dos Apóstolos, um “Escândalo da Cruz”.

Mas eu vou te dizer qual é o plano favorito, hoje em dia.

Não é opor-se à cruz, mas enrolar e tentar obter uma pequena alteração de sua forma.

Homens que odeiam as doutrinas da cruz, dizem:

“Nós, também, pregamos o Evangelho”.

Eles alteraram-no. Eles o deformaram.

Eles criaram “outro evangelho, o qual não é outro”.

Deixe os outros dizerem, se quiserem, que sim e não podem reunir-se, que o fogo e a água podem beijar um ao outro, que Cristo e Belial pode ser gêmeos – o verdadeiro ministro de Jesus Cristo não pode fazer isso!

A verdade é a verdade e tudo o que é o oposto não pode ser verdade.

A verdade de Deus é uma só e aquilo que se opõe a ela certamente deve ser erro e falsidade.

Mas é a moda tentar misturar e juntar as duas coisas.

Olhe para muitas das igrejas - eles dizem que defendem a Verdade de Deus.

Olhe para os seus artigos - eles têm todos os cinco pontos do Calvinismo.

E se você perguntar aos ministros se eles acreditam na a doutrina da eleição – “Certamente”, eles respondem.

Se você perguntarlhes se eles acreditam em todas as grandes verdades cardeais do Evangelho, eles dizem:

“Oh, sim, certamente acreditamos nelas! Mas não acho que elas deveriam ser pregadas para as pessoas comuns”.


Pagina 3


Ah, Senhores! Vocês têm uma excelente noção de si mesmos, se vocês não acham que “As pessoas comuns” são tão boas como vocês são e que elas possam receber as Doutrinas da Graça assim como vocês podem!

“Ó, mas essas doutrinas são perigosas! Elas conduzem as pessoas para antinomianismo”.

Eles dizem isso, mas quando escrevemos para eles, eles respondem:

“Oh, nós somos tão sonoros quanto você é!”

Sim, mas é uma coisa para ser sonoro, e outra coisa é pregar o som da Verdade!

Eu nunca vou acreditar que um homem seja melhor do que aquilo que ele prega.

Se um homem não proclama “a Verdade de Deus, toda a verdade de Deus, e nada mais que a verdade”, nós o apreciamos não o melhor, mas 10 vezes pior, porque ele diz que acredita nisto!

Nós preferiríamos que não acreditasse em tudo do que ele escondesse seus reais sentimentos.

Esses homens, que escondem a Verdade de Deus, provam que eles são tão ofendidos com a Cruz como se abertamente tentassem refutar essas doutrinas!

Deus nos envie o dia em que as puras, não adulteradas Doutrinas da Graça de Deus, que estão em Cristo Jesus, deverão ser proclamadas em cada igreja e ouvidas em cada rua e recebidas por todos os cristãos professos!

III. Agora eu venho, em terceiro lugar, PARA DIZER ALGUMA COISA PARA AQUELES QUE ESTÃO OFENDIDOS COM A CRUZ.

Primeiro, deixe-me dizer que é um grande tolo um homem que não acredita no Evangelho se opor aqueles que creem.

Se um homem, ele mesmo, não ama o Evangelho, ele deve deixar livres as outras pessoas que o fazem.

Vocês têm ouvido muitas vezes a velha fábula do cão na manjedoura, mas aqui é algo pior, aqui é o cão fora da manjedoura, ele nem sequer deita no feno, e ainda assim ele late para aqueles que vêm se alimentar nele!

Ele não ama o evangelho e porque os outros o fazem, ele os odeia!

Por que, com certeza, o que vocês não querem para si mesmos, vocês podem deixar que outras pessoas tenham em paz!

Você não precisa se opor a eles por carregar longe o que você considera como lixo inútil!

Por que você deve ser tão ofendido e esforçar-se para tomar uma posição contra a Verdade de Deus, já que você não pode, em sua condição atual, obter nada com isso e pode queima seus dedos em suas dores?

Então, em seguida, quão tolo é ser ofendido pela Cruz, vendo que você não pode parar o seu progresso!

Aquele, que deve colocar-se diante carro Juggernaut1 para ser esmagado seria tão sábio como você que se opõe ao Evangelho.

Se isto é verdade, lembre-se,

“A Verdade de Deus é poderosa e deve prevalecer”.

Quem é você para tentar resistir a ela?


Você vai ser esmagado, mas deixe-me dizer-lhe que quando o carro passar por cima de você, a roda não será levantada nem mesmo uma polegada pelo seu tamanho!

Pois quem é você?

Um minúsculo mosquito, um verme rastejante que essa roda vai esmagar a menos do que nada e não deixará a você nem mesmo um nome como tendo sido um adversário do Evangelho!

Houve homens que se levantaram e disseram:

“Vamos parar a carruagem de Cristo”.

Milhares de pessoas olharam para eles e ter ficaram com medo.

As trombetas têm soprado alto e bom som e alguns cristãos pobres têm dito: “Afastem-se!

Aí vem um homem que vai parar a carruagem do Senhor Jesus”.

Em um momento, era Tom Paine.

Depois foi Robert Owen.

Mas o que aconteceu com eles?

Será que o carro parou por eles?

Não, ele passou como se nunca tivesse havido um Tom Paine ou um Robert Owen sobre a terra!

Que todos os infiéis no mundo seguramente sabem que o Evangelho vai ganhar o seu caminho, não importa o que eles possam fazer.

Pobres criaturas!

Seus esforços para se opor, não são dignos de nossa atenção e não precisamos temer que eles possam parar a Verdade de Deus!

Bem como um mosquito pensar em apagar o sol!

Vá, minúsculo inseto, e faça isso, se você puder!

Você só vai queimar suas asas e morrer.

Bem como uma mosca pode pensar que poderia beber e secar o oceano.

Beba o oceano, se você puder - mais provavelmente você vai afundar nele e ele beberá você!

Vocês que desprezam e se opõem ao Evangelho, o que vocês podem fazer?

Ele vem “conquistando e para conquistar”.

Eu sempre acho que quanto mais inimigos o Evangelho possuir, mais ele avançará.

Como velho guerreiro disse:

“Quanto mais inimigos existem, mais há para serem mortos, mais há a serem feitos prisioneiros e quanto mais há para fugirem.” Dobrem seus anfitriões, seus opositores!

Venham contra nós com um poder ainda mais poderoso!

Rujam ainda mais alto!

Caluniem-nos ainda mais abominavelmente!

Façam o que puder, a vitória é nossa, pois isso é predestinado!

A coluna maciça da Predestinação Divina permanece firme e em seu topo há as asas de águia indicando a vitória para cada Crente e para toda a Igreja de Cristo!

A Verdade de Deus deve e irá conquistar, portanto, você, criatura tola, espera se opor ao Evangelho, porque ele o ofende?


A Rocha cortada sem mãos não pode ser quebrada por você - mas se ele cair em cima de você, ele vai moê-lo ao pó!

Mas um outro pensamento, e eu tenho cumprido com esta parte de meu assunto.

Ó homem, se você odeia o Evangelho, deixe-me solenemente dizer-lhe como você é duplamente tolo para ficar ofendido com Cristo, que é o único que pode salvar você!

Assim pode o homem que se afoga ficar ofendido com a corda que é moldada para ele e que é o único meio de escape!


Assim pode o paciente moribundo ficar ofendido com a taça da medicina que é colocado nos lábios e que, somente, pode salvar o corpo da morte!

Assim pode o homem cuja casa está queimando ficar ofendido com o bombeiro que aproxima-se e coloca a escada de fuga contra sua janela - desta forma é que você deve ficar ofendido com Cristo!

Ofendido com Aquele que iria arrebatar-lhe como “um tição do fogo”?

Ofendido com Aquele que, sozinho, pode apagar para você o fogo do inferno?

Ofendido com Ele, cujo “O escândalo da Cruz” de sangue, sozinho, pode lavá-lo [e torná-lo] branco e dar-lhe um lugar com Ele na glória eterna?


Pagina 4


Ofendido com Ele? Então, você é louco, de fato!

Nem Bedlam, em si, pode produzir um maníaco mais tolo do que você é!

Ah, vocês desprezadores, vocês devem se maravilhar e perecer!

Você está ofendido com o Evangelho porque ele diz que você não tem qualquer mérito, embora você não tenha nenhum, então por que você está ofendido?

Você está ofendido com o Evangelho porque ele não pergunta qualquer coisa de você, a fim de que você possa ser salvo, no entanto se exigisse qualquer coisa de você, como condição de sua salvação, você estaria perdido!

O Evangelho é apropriado para você - ele é feito com propósito - ele se encaixa à sua condição!

É adaptado ao seu caso e você ainda se ofende com ele?

Oh, como você pode ser tão tolo?

Você já ouviu falar de um homem que foi ofendido com uma carruagem que o levava porque ele não tinha rodas?

Por que você deve se sentir ofendido com a carruagem do Evangelho, porque não poderia avançar, exceto nas rodas da Livre Graça?

O quê? Você está ofendido com o Evangelho, porque coloca você para baixo?

Você não sabe qual é o melhor lugar para você?

O Diabo teria elevado você muito alto se pudesse, mas isso seria apenas para que ele pudesse arruinar você!

Meus queridos amigos, peço-vos, em nome do Senhor Jesus Cristo, Ele mesmo, pensem sobre por que você está ofendido com o Evangelho!

Eu sei que isso vai contra os seus preconceitos.

Quando você ouve, você não o ama, mas, lembre-se, é a sua única esperança de salvação.

Você está ofendido com o que pode salvar você?

Ofendido com o que pode colocar uma coroa em sua cabeça, um ramo de palmeira em sua mão e lhe dar felicidade para sempre?

Então, eu acho que quando você afundar para o inferno, você vai olhar para o céu e dizer:

“Ah, Cristo!

Fiquei ofendido com Você, mas agora eu vejo que Tu és o único Salvador.

Eu odiava o Seu Nome, do qual está escrito: “No nome de Jesus, todo joelho se dobrará”.

Eu odiava que o Salvador, que foi o único Salvador para redimir os pecadores do pecado”.

IV. Por último, TIRAREI UMA OU DUAS INFERÊNCIAS.

A primeira é esta: Se a Cruz de Cristo é uma ofensa e sempre foi uma ofensa, qual é a razão pela qual tantos cristãos professos vão tão facilmente de Janeiro a Dezembro e nunca têm algum problema com isso?

O velho John Berridge disse:

“Se você não pregar o Evangelho, você pode dormir tranquilamente o suficiente. Mas se você o pregar fielmente, dificilmente você vai ter um lugar saudável em sua pele, pois em breve você terá bastante inimigos atacando você”.

Como é que nós nunca ouvimos falar de qualquer calúnia contra um grande número de ministros?

Tudo passa fácil e confortavelmente com eles.

Ninguém nunca é ofendido com sua pregação.

Os sermões mais eficazes são aqueles que fazem opositores do Evangelho morder os lábios e ranger de dentes.

“Essa pregação vale pouco”, Rowland Hill costumava dizer,

“Que não pode fazer o Diabo rugir. Ele prega, porém tão pouco da verdade de Deus, que não coloca o velho leão para rugir contra ele”.

Dependendo dele, Satanás não aprecia o Evangelho melhor do que ele fez – e o mundo não aprecia o Evangelho mais do que ele faz – e se não há, hoje em dia, tanta perseguição e ódio como costumava haver, isso é porque os homens não proclamam a clara e simplesmente a verdade de Deus, como seus antepassados fizeram!

As pessoas vão para ouvir bons pregadores língua-de-veludo.

Eles gostam do ministro que profetiza coisas agradáveis para eles!

“Eu não vou ouvir o Sr. Fulano de Tal”, diz um, “pois ele certamente irá me ofender”.

Agora, qual é a razão para isso? É porque ele prega todo o Evangelho, a pura verdade de Deus!

Mas os homens não imaginar que queremos ofendê-los? Não, Deus conhece as coisas duras que muitas vezes nos são ditas [e] nos causam mais dor que elas causam aos nossos ouvintes.

Mas é uma boa coisa, quando pouco se importam com a opinião dos homens e quando aprendemos a viver acima do mundo.

Uma vez que deixamos ministros proclamar fielmente o, Evangelho simples, logo iremos ouvir o riso, escárnio e zombaria.

Foi um dia mau quando os filhos de Deus criaram afinidade com as filhas dos homens.

E vai ser um dia mal para a Igreja de Cristo, quando o mundo falar bem dela e todos a elogiarem.

A denominação contra a qual mais falam geralmente é aquele onde Cristo mais habita!

Mas o que é denominação fluindo em abundância e dando nos joelhos de honra é geralmente a mais corrupta!

Pregue o Evangelho ousadamente, firmemente, continuamente, vigorosamente, em verdade- e você não seguirá sem ouvir algo sobre o “Escândalo da Cruz”.

A minha última observação é esta.

Ó meus irmãos e irmãs, quantas razões que temos para bendizer e exaltar o nosso Deus gracioso, se a Cruz de Cristo não é uma ofensa para nós!

Espero que muitos aqui possam se unir comigo em dizer que não há nada na Bíblia que nos ofende e não há nada no Evangelho que agora nos ofende.

Se existe alguma coisa que você não entende, e faz-se “O escândalo da cruz” não o odeie - se parece escuro e misterioso, não o rejeite, mas esteja disposto a aprender tudo o que puder sobre ele.


Page 5


Ah, meu Deus, se tudo o que eu já preguei é falso, eu estou preparado para negá-lo quando Tu me ensinares melhor!

Se tudo o que eu já aprendi é um erro e eu não aprendi isso de Ti, eu não vou ter vergonha de me retratar nessa hora, quando Tu deverá, Tu mesmo, ensinar e mostrar-me o meu erro.

Nós não temos vergonha de trazernos inteiramente para dentro do molde das Escrituras, para levá-lo da mesma forma que está, para acreditar e para recebê-lo.

E se você está nesse estado, note bem, você está salvo, porque ninguém pode dizer que ele aceita o Evangelho totalmente, ama-o inteiramente e recebe-o em seu coração – e ainda assim pode ser um estranho para ele!

Tenho ouvido pregadores ignorantemente falar de amor “natural” ao Evangelho – não pode haver uma coisa dessas!

Ouvi alguém dizer que havia um amor “natural” a Cristo – é tudo disparate!

A natureza não pode gerar um amor a Cristo, nem o amor a qualquer coisa boa – que deve vir de Deus, pois todo amor é dEle!

Não há nada de bom em nós por natureza.

Toda convicção deve, de alguma forma ou de outra, vir do Espírito Santo.

Mesmo que seja uma temporária, deve ser atribuída a ele se é boa.

Oh, vamos adorar, exaltar e magnificar a poderosa Graça que nos fez amar o Evangelho!

Porque eu tenho certeza que, com alguns de nós, houve um momento em que o odiávamos tanto quanto qualquer pessoa em todo o mundo já odiou.

O velho John Newton costumava dizer:

“Vocês que são chamados calvinistas – embora vocês não sejam apenas Calvinistas, mas os antigos, sucessores legítimos de Cristo – vocês devem, acima de todos os homens, serem muito gentis com os seus adversários, pois, lembrem-se, de acordo com os seus próprios princípios, eles não podem aprender a Verdade de Deus a menos que eles sejam ensinados por Deus.

E se você tiver sido ensinados por Deus, você deve bendizer o Seu nome – e se eles não foram, você não deveria estar com raiva deles, mas peça a Deus para dar-lhes uma melhor educação”.

Não vamos fazer qualquer “escândalo da cruz” extra por causa nosso próprio mau humor, mas vamos mostrar nosso amor à Cruz, amando e tentando abençoar aqueles que têm sido ofendidos com ela.

Ah, pobre Pecador, o que você diz? Você está ofendido com a Cruz? Não, você não é, pois é lá que você deseja perder seus pecados.

Você deseja este momento para vir a Cristo? Você diz:

“Eu não tenho nenhuma ofensa a Cristo. Oh, que eu soubesse onde eu poderia encontrá-Lo! Eu viria, mesmo, para o seu lugar”.

Bem, se você quer Cristo, Cristo quer que você; se deseja a Cristo, Cristo deseja você!

Sim, e mais!

Se você tem uma faísca de desejo por de Cristo, Cristo tem uma montanha inteira queimando de desejo por de você.

Ele te ama mais do que você jamais poderá amá-Lo!

Tenha certeza de que você não está à frente de Deus.

Se você está em busca de Jesus, Ele primeiro buscou você.

Venha então, você destituído, cansado, perdido, desamparado, arruinado, principal dos pecadores!

Venha colocar a sua confiança em Seu sangue e na Sua justiça perfeita, e você vai seguir o seu caminho regozijando-se em Cristo, liberto do pecado, despojado da iniquidade, feito salvo seguro, embora não tão feliz, como os próprios anjos que agora cantam altos hosanas diante do Trono do Altíssimo!


Página 6


DELIVERED BY C. H. SPURGEON
AT NEW PARK STREET CHAPEL, SOUTHWARK,
ON A LORD’S-DAY EVENING IN THE YEAR 1856.




Exercícios com a Palavra de Deus!

Procure versículos para os tópicos em que você encontrou dificuldade.
Praticando você não mais esquecerá!

Quem ama compartilha!

Encontrou algum versículo que pode ser exposto como exemplo?
Compartilhe aqui como comentário!

Nenhum comentário:

Destaque-se em seus trabalhos!

As melhores ferramentas online para administração de sua igreja ou ministério.

Você sabia que a Google lhe fornece muito mais do que os serviços gratuitos?

Email com 30Gb, Calendário profissional, Espaço na nuvem (Cloud) para seus arquivos, crie documentos e planilhas online, crie apresentações profissionais, crie seu próprio site intranet e faça reuniões em grupo online através de video.

Confira aqui as vantagens de ter todos os aplicativos do Google para trabalho e garanta um preço ainda mais simbólico usando um dos códigos abaixo.

337D3F79FFLPEP3 ou JDDFREVWDWC9GJ3