Ebook Collection EN/PT - Christ Crucified


     

 Christ Crucified 

  J. C. Ryle 





Inglês


There is no doctrine in Christianity so important as the doctrine of Christ crucified. There is none which the devil tries so hard to destroy. There is none which it is so needful for our own peace to understand.

By "Christ crucified," I mean the doctrine that Christ suffered death on the cross to make atonement for our sins—that by His death He made a full, perfect, and complete satisfaction to God for the ungodly—and that through the merits of that death all who believe in Him are forgiven all their sins, however many and great, entirely, and forever.


About this blessed doctrine let me say a few words. The doctrine of Christ crucified is the grand peculiarity of the Christian religion. Other religions have laws and moral precepts, forms and ceremonies, rewards and punishments; but other religions cannot tell us of a dying Savior: they cannot show us the cross. 

This is the crown and glory of the Gospel; this is that special comfort which belongs to it alone. Miserable indeed is that religious
teaching which calls itself Christian, and yet contains nothing of the cross. A man who teaches in this way might as well profess to explain the solar system, and yet tell his hearers nothing about the sun. The doctrine of Christ crucified is the strength of a minister.

I for one would not be without it for all the world. I would feel like a soldier without arms, like an artist without his pencil, like a pilot without his compass, like a laborer without his tools. Let others, if they will, preach the law and morality; let others hold forth the terrors of hell, and the joys of heaven; let others dwell on the sacraments and the Church: give me the cross of Christ. 

This is the only lever which has ever turned the world upside down hitherto, and made men forsake their sins: and if this will not, nothing will. A man may begin preaching with a perfect knowledge of Latin, Greek, and Hebrew; but he will do little or no good among his hearers unless he knows something of the cross. Never was there a minister who did much for the conversion of souls who did not dwell much on Christ crucified.

Luther, Rutherford, Whitfield, McCheyne, were all most eminently preachers of the cross. This is the preaching that the Holy Spirit delights to bless: He loves to honor those who honor the cross. The doctrine of Christ crucified is the secret of all missionary success. 

Nothing but this has ever moved the hearts of the heathen. Just according as this has been lifted up missions have prospered. This is the weapon that has won victories over hearts of every kind, in every quarter of the globe: Greenlanders, Africans, South Sea Islanders, Hindoos, and Chinese, all have alike felt its power. Just as that huge iron tube which crosses the Menai Straits is more affected and bent by half an hour’s sunshine than by all the dead weight that can be placed in it, so in like manner the hearts of savages have melted before the cross, when every other argument seemed to move them no more than stones. 

"Brethren," said a North American Indian after his conversion, "I have been a heathen. I know how heathens think. Once a preacher came and began to explain to us that there was a God; but we told him to return to the place from where he came. Another preacher came and told us not to lie, nor steal, nor drink; but we did not heed him. 

At last another came into my hut one day, and said, ‘I am come to you in the name of the Lord of heaven and earth. He sends to let you know that He will make you happy, and deliver you from misery. For this end He became a man, gave His life a ransom, and shed His blood for sinners. 

I could not forget his words. I told them to the other Indians, and an awakening begun among us. I say, therefore, preach the sufferings and death of Christ, our Savior, if you wish your words to gain entrance among the heathen." Never indeed did the devil triumph so thoroughly as when he persuaded the Jesuit missionaries in China to keep back the story of the cross! 

The doctrine of Christ crucified is the foundation of a Church’s prosperity. No Church will ever be honored in which Christ crucified is not continually lifted up. Nothing whatever can make up for the lack of the cross. 

Without it all things may be done decently and in order; without it there may be splendid ceremonies, beautiful music, gorgeous churches, learned ministers, crowded communion tables, huge collections for the poor; but without the cross no good will be done. 

Dark hearts will not be enlightened, proud hearts will not be humbled, mourning hearts will not be comforted, fainting hearts will not be cheered. Sermons about the catholic church and an apostolic ministry, sermons about baptism and the Lord’s supper, sermons about unity and schism, sermons about fasts and communion, sermons about fathers and saints—such sermons will never make up for the absence of sermons about the cross of Christ. 

They may amuse some, they will feed none. A gorgeous banqueting room, and splendid gold plate on the table, will never make up to a hungry man for the lack of food. Christ crucified is God’s grand ordinance for doing good to men. Whenever a Church keeps back Christ crucified, or puts anything whatever in that foremost place which Christ crucified should always have, from that moment a Church ceases to be useful. 

Without Christ crucified in her pulpits, a Church is little better than a cumberer of the ground, a dead carcass, a well without water, a barren fig-tree, a sleeping watchman, a silent trumpet, a dumb witness, an ambassador without terms of peace, a messenger without tidings, a lighthouse without fire, a stumbling-block to weak believers, a comfort to infidels, a hot-bed for formalism, a joy to the devil, and an offence to God. 

The doctrine of Christ crucified is the grand center of union among true Christians. Our outward differences are many without doubt: one man is an Episcopalian, another is a Presbyterian; one is an Independent, another a Baptist; one is a Calvinist, another an Arminian; one is a Lutheran, another a Plymouth Brother; one is a friend to Establishments, another a friend to the Voluntary system; one is a friend to Liturgies, another a friend to extempore prayer: but after all, what shall we hear about most of these differences in heaven? 

Nothing, most probably: nothing at all. Does a man really and sincerely glory in the cross of Christ? That is the grand question. If he does, he is my brother: we are traveling in the same road; we are journeying towards a home where Christ is all, and everything outward in religion will be forgotten. But if he does not glory in the cross of Christ, I cannot feel comfort about him. 

Union on outward points only is union only for time: union about the cross is union for eternity. Error on outward points is only a skin-deep disease: error about the cross is disease at the heart.

Union about outward points is a mere man-made union: union about the cross of Christ can only be produced by the Holy Spirit. Reader, I know not what you think of all this. I feel as if the half of what I desire to tell you about Christ crucified were left untold. But I do hope that I have given you something to think about. Listen to me now for a few moments, while I say something to apply the whole subject to your conscience. Are you living in any kind of sin?

Are you following the course of this world, and neglecting your soul? Hear! I beseech you, what I say to you this day: "Behold the cross of Christ." See there how Jesus loved you! See there what Jesus suffered to prepare for you a way of salvation! Yes: careless men and women, for you that blood was shed! for you those hands and feet were pierced with nails! for you that body hung in agony on the cross! 

You are those whom Jesus loved, and for whom He died! Surely that love ought to melt you: surely the thought of the cross should draw you to repentance. Oh, that it might be so this very day! Oh, that you would come at once to that Savior who died for you and is willing to save! 

Come and cry to Him with the prayer of faith, and I know that He will listen. Come and lay hold upon the cross, and I know that He will not cast you out. Come and believe on Him who died on the cross, and this very day you shall have eternal life. Are you inquiring the way toward heaven? 

Are you seeking salvation, but doubtful whether you can find it? Are you desiring to have an interest in Christ, but doubting whether Christ will receive you? To you also I say this day, "Behold the cross of Christ." Here is encouragement if you really want it. 

Draw near to the Lord Jesus with boldness, for nothing need keep you back: His arms are open to receive you; His heart is full of love towards you. He has made a way by which you may approach Him with confidence. Think of the cross. Draw near, and fear not. Are you an unlearned man? 

Are you desirous to get to heaven, and yet perplexed and brought to a stand-still by difficulties in the Bible that you cannot explain? To you also I say this day, "Behold the cross of Christ." Read there the Father’s love and the Son’s compassion. Surely they are written in great plain letters, which none can well mistake. 

What though you are now perplexed by the doctrine of election? What though at present you cannot reconcile your own utter corruption and your own responsibility? Look, I say, at the cross. 

Does not that cross tell you that Jesus is a mighty, loving, ready Savior? Does it not make one thing plain—and that is that if not saved it is all your own fault? Oh, get hold of that truth, and hold it fast!

Are you a distressed believer? Is your heart pressed down with sickness, tried with disappointments, overburdened with cares? To you also I say this day, "Behold the cross of Christ." Think whose hand it is that chastens you: think whose hand is measuring to you the cup of bitterness which you are now drinking. It is the hand of Him that was crucified: it is the same hand that in love to your soul was nailed to the accursed tree. Surely that thought should comfort and hearten you. Surely you should say to yourself, 

"A crucified Savior will never lay upon me anything that is not good for me. There is a needs be. It must be well." Are you a dying believer? Have you gone to that bed from which something within tells you you will never come down alive? 

Are you drawing near to that solemn hour when soul and body must part for a season, and you must launch into a world unknown? Oh, look steadily at the cross of Christ, and you shall be kept in peace! Fix the eyes of your mind firmly on Jesus crucified, and He shall deliver you from all your fears. 

Though you walk through dark places, He will be with you: He will never leave you—never forsake you. Sit under the shadow of the cross to the very last, and its fruits shall be sweet to your taste. 

There is but one thing needful on a death-bed, and that is to feel one’s arms around the cross. Reader, if you never heard of Christ crucified before this day, I can wish you nothing better than that you may know Him by faith, and rest on Him for salvation. If you do know Him may you know Him better every year you live, until you see Him face to face.



Português


Não há doutrina no cristianismo tão importante quanto a doutrina do Cristo crucificado. Não há nenhuma que o diabo tente tão avidamente destruir. Não há nenhuma tão necessária à nossa própria paz para entendermos. 

Por “Cristo Crucificado”, refiro-me à doutrina de que Cristo sofreu a morte na cruz para reparar-nos de nossos pecados; que por Sua morte, Ele cumpriu a mais plena, perfeita e completa satisfação de Deus para com os descrentes; e, através dos méritos dessa morte, todos os que acreditaram nEle foram perdoados de todos os seus pecados, mesmo sendo estes muitos e grandes, foram inteiramente perdoados e para sempre. 

Sobre essa doutrina sagrada, deixe-me discorrer algumas palavras. A doutrina do Cristo crucificado é a grande peculiaridade da religião cristã. Outras religiões tem leis e preceitos morais, formas e cerimônias, recompensas e punições; mas essas outras religiões não podem nos relatar sobre um Salvador que morreu, elas não podem nos mostrar a cruz. 

Essa é a coroa e a glória do Evangelho, esse é o conforto especial pertencente apenas a ele. Verdadeiramente miserável é o ensinamento religioso que se auto-intitula cristão, mas que, mesmo assim, não contem nada sobre a cruz. Um homem que ensina dessa forma deve, de igual modo, afirmar explicar o sistema solar e, ainda assim, não falar nada aos seus ouvintes sobre o sol. A doutrina do Cristo crucificado é a fortaleza de um ministro. 

Eu, pelo menos, não ficaria sem ela por nada nesse mundo. Eu me sentiria como um soldado sem armas, um artista sem pincel, um piloto sem bússola, um trabalhador sem suas ferramentas. Deixe que os outros, se quiserem, preguem lei e moralidade; deixe que outros falem sobre os horrores do inferno e os prazeres do paraíso; deixe outros habitarem nos sacramentos e na Igreja: dê-me a cruz de Cristo. 

Até agora, essa foi a única alavanca que virou o mundo de cabeça para baixo e fez os homens renunciarem a seus pecados e, se isso não o fizesse, nada o faria. Um homem pode pregar com um conhecimento perfeito do latim, grego e hebraico, mas ele fará pouco ou insuficiente entre seus ouvintes, a não ser que saiba algo sobre a cruz. Nunca houve um ministro que tenha feito tanto para a conversão de almas, mas que não tenha discorrido longamente sobre a crucificação de Cristo. 

Lutero, Samuel Ruherford, Whitfield, M‟Cheyne foram todos célebres pregadores da cruz. Essa é a pregação que o Espírito Santo se deleita em abençoar, Ele ama honrar aqueles que honram a cruz. A doutrina do Cristo crucificado é o segredo de todo sucesso missionário. 

Nada além disso moveu tanto o coração dos pagãos. Assim que isso foi percebido, as missões prosperaram. Essa é a arma que ganhou vitória sobre os corações de todos os tipos, no quatro cantos da terra: Groelândia, África, Ilhas Australianas, hindus e chineses, todos sentiram o poder da cruz de forma semelhante. Assim como a ponte que cruza o Estreito de Menais é mais entortada por meia hora de sol do que por todo o peso morto que pode ser posto por sobre ela, assim também os corações dos selvagens comoveram-se diante da cruz, mesmo quando argumento algum parecia surtir efeito sobre eles. 

“Irmãos," disse um índio norte americano depois de sua conversão, “Eu já fui um pagão. Eu sei como os pagãos pensam. Uma vez, um pregador veio e começou a explicar-nos que existia um Deus, mas logo dissemo-lo para voltar ao lugar de onde tinha vindo. 
Outro pregador veio e disse para que não mentíssemos, não roubássemos e nem bebêssemos, mas nós não demos atenção a ele. 

Por fim, outro veio à minha cabana um dia e disse, „Eu vim a você em nome do Senhor dos céus e da terra. Ele me enviou para que você soubesse que Ele o fará feliz e o libertará de sua miséria. Para este fim, Ele se tornou homem, deu à Sua vida um preço e verteu Seu sangue pelos pecadores‟. 

Não pude esquecer essas palavras. Eu as disse para os outros índios e um despertar começou entre nós. Eu afirmo, portanto: preguem o sofrimento e a morte de Cristo, nosso Salvador, se desejam que suas palavras ganhem abertura entre os pecadores.” Nunca o diabo triunfou tão fortemente quanto quando ele persuadiu os missionários jesuítas na China a reter a história da cruz! 

A doutrina do Cristo crucificado é a base para a prosperidade da Igreja. Nenhuma igreja jamais será honrada se o Cristo crucificado não for continuamente professado. Nada pode compensar a falta da cruz. 

Sem ela, todas as coisas podem ser feitas decentemente e em ordem; sem ela, pode até haver cerimônias esplêndidas, música bonita, igrejas suntuosas, ministros instruídos, mesas de comunhão lotadas, grandes coletas para os pobres, mas sem a cruz, nenhum bem será feito. 

Corações escuros não serão iluminados, corações orgulhosos não serão humilhados, corações em pranto não serão reconfortados, corações desfalecidos não serão alegrados. Sermões sobre a igreja católica e ministro apostólico, sermões sobre batismo e a ceia do Senhor, sermões sobre unidade e divisão, sermões sobre jejuns e comunhão, sermões sobre padres e santos... Tais sermões nunca compensarão a abstinência de sermões sobre a cruz de Cristo. 

Eles podem divertir alguns, mas não os alimentarão. Uma sala de banquete robusta e esplêndidos pratos de ouro à mesa nunca acabará com ânsia de um homem faminto por comida. O Cristo crucificado é a grande ordenança de Deus para fazer o bem aos homens. Sempre que a igreja retém o Cristo crucificado ou coloca qualquer outra coisa no principal lugar em que o Cristo crucificado deveria estar, a partir desse momento, tal igreja deixa de ser útil. 

Sem o Cristo crucificado no seu púlpito, a igreja é um pouco melhor do que uma obstrução no chão, uma carcaça morta, um poço sem água, uma figueira que não dá frutos, um vigia dormindo, uma trombeta silenciosa, uma testemunha emudecida, um embaixador sem termos de paz, um mensageiro sem informações, um farol sem fogo, um obstáculo para fiéis fracos, um conforto para pagãos, uma cama quente para o formalismo, uma alegria para o diabo e uma ofensa a Deus. 

A doutrina do Cristo crucificado é o grande centro de união entre os verdadeiros cristãos. Nossas diferenças aparentes são muitas, sem dúvida: Um homem é anglicano, outro é presbiteriano, um é independente, outro é batista, um é calvinista, outro é arminiano, um é luterano, outro é irmão de Plymouth, um é amigo do Establishments, outro é amigo do sistema voluntário, um é amigo da liturgia, outro é amigo da oração improvisada, mas no fim de tudo, o que mais ouviremos sobre essas diferenças no céu? 

Nada, muito provavelmente nada. Um homem verdadeiramente se gloria na cruz de Cristo? Essa é a grande questão. Se sim, ele é meu irmão, andamos na mesma estrada, estamos caminhando em direção à casa onde Cristo é tudo, e tudo externo à religião será esquecido. Entretanto, se ele não se gloria na cruz de Cristo, não posso me sentir confortável com ele. 

União apenas nos pontos externos é uma união por pouco tempo, mas união pela cruz é união para a eternidade. Erro em questões externas é apenas uma doença superficial, erro sobre a cruz é uma doença no coração. 

União em pontos externos é uma mera união humana, união sobre a cruz de Cristo pode ser produzida apenas pelo Espírito Santo. Leitor, não sei o que você pensa sobre tudo isso. Sinto como se metade do que desejo dizer-lhe sobre o Cristo crucificado não foi dito. Mas espero tê- lo dado algo sobre o qual pensar. Escute-me agora por alguns momentos, enquanto digo algo para aplicar todo o assunto na sua consciência. Você está vivendo em algum tipo de pecado?

Você está seguindo o curso do mundo e negligenciando sua alma? Escute, eu o imploro, o que lhe digo hoje: “Olhe para a cruz de Cristo.” Veja nela o quanto Jesus o amou! Vejao quanto Jesus sofreu para preparar-lhe o meio da salvação! Sim, homens e mulheres descuidados, foi por vocês que o sangue foi derramado, que essas mãos e pés foram perfurados com pregos e que esse corpo ficou pendurado agonizando na cruz!

Vocês são aqueles a quem Jesus amou e pelos quais morreu! Certamente esse amor deve comovê-lo, certamente o pensamento da cruz deve levá-lo ao arrependimento. Oh, que seja assim hoje! Oh, que você viesse de uma vez a esse Salvador que morreu por você e está disposto a salvá-lo! 

Venha e chore para Ele com oração e fé, e eu tenho certeza de que Ele ouvirá. Venha e deite-se sobre a cruz, e eu sei que Ele não o lançará fora. Venha e creia nEle, que morreu na cruz, e a partir desse dia você terá a vida eterna. Você esta indagando o caminho para o céu? Você está procurando salvação, mas duvida que a encontrará? Você está desejando ter mais interesse em Cristo, mas duvidando se Ele o receberá? Para você também eu digo isso: “Segura na cruz de Cristo”. Aqui tem encorajamento, se você quiser. 

Achegue-se ao Senhor Jesus com ousadia, pois nada deve mantê-lo atrás. Seus braços estão abertos para recebê-lo, Seu coração está cheio de amor por você. Ele foi feito de tal forma que você pode se aproximar com confiança. Pense na cruz. Achegue-se e não tenha medo. Você é um homem sem estudos? 

Você anseia em ir para o céu, mas ainda está perplexo e foi levado a uma paralisação devido a dificuldades na Bíblia que você não consegue explicar? Para você, eu digo isso hoje: “Olhe para a cruz de Cristo”. Leia nela o amor do Pai e a compaixão do Filho. Certamente elas estão escritas em letras grandes e claras, impossível de serem mal interpretadas. 

Por que, então, você está agora espantado com a doutrina da eleição? Por que você não pode reconciliar sua própria corrupção com sua responsabilidade? Olhe, afirmo, para a cruz. 

Será que essa cruz não lhe diz que Jesus é um Salvador poderoso, amoroso e preparado? Não deixa claro que se você não for salvo, é por sua própria culpa? Oh, apodere-se dessa verdade e apodere-se rápido! 

Você é um cristão angustiado? O seu coração está pressionado com doenças, provado com decepções, sobrecarregado com preocupações? Para você também eu digo isso hoje: “Olhe para a cruz de Cristo”. Analise qual mão é a que lhe castiga: observe qual mão mede por você o copo da amargura o qual agora bebe. É a mão dEle que foi crucificado, é a mesma mão que, em amor por sua alma, foi pregada na cruz. Claro que esse pensamento deveria confortá-lo e encorajá-lo. Claro que você deveria dizer a si mesmo: 

“O Salvador crucificado nunca derramará sobre mim algo que não me seja bom. Há um motivo para isso. E precisa ser bom.” Você é um cristão lânguido? Você já foi para a cama com algo por dentro lhe dizendo que nunca sairia dela vivo? 

Você está se aproximando daquela hora solene em que alma e corpo partem por uma temporada e você deve lançar-se num mundo desconhecido? Oh, olhe fixamente para a cruz de Cristo e você ficará em paz! Mantenha os olhos da sua mente firmemente no Jesus crucificado e Ele o libertará de todos os seus medos.

Embora você ande por caminhos escuros, Ele estará convosco. Ele nunca o deixará, nunca desistirá de você. Sente-se à sombra da cruz até o fim e seus frutos serão doces no seu paladar. 

Existe apenas uma coisa indispensável no leito da morte, e essa é sentir o braço ao redor da cruz. Leitor, se você nunca ouviu sobre o Cristo crucificado antes desse dia, o que posso desejar-lhe de melhor é que você O conheça pela fé e descanse nEle através da salvação. Se você O conhece, então que você O conheça ainda melhor a cada ano que viva, até que O veja face a face.

Nenhum comentário: