Simplicidade na pregação, livro do Bispo J. C. Ryle - Traduzido - part1


SIMPLICIDADE NA PREGAÇÃO

J. C. Ryle

No livro de Eclesiastes, o Rei Salomão escreveu: “... não há limite para fazer livros...” (Ec 12.12). Há poucos assuntos sobre os quais esse provérbio seja mais verdadeiro do que o da pregação. 

Os volumes que foram escritos a fim de demonstrar aos ministros como pregar são suficientes para fazer uma pequena biblioteca. Ao escrever este pequeno tratado, eu apenas me proponho a tocar um ramo do assunto. Não tenho a pretensão de considerar qual deve ser o conteúdo e o assunto de um sermão. 

Propositadamente deixei de lado pontos, tais como: importância, unção, disposi- ção, fervor e similares, ou a comparação dos aspectos essenciais de sermões escritos e de improviso.

Gostaria de me limitar a um ponto que recebe muito menos atenção do que merece. Este ponto é a simplicidade na linguagem e estilo. J. C. Ryle 8 Se a experiência for de alguma ajuda, devo ser capaz de dizer aos meus leitores algo sobre a “simplicidade”. Comecei a pregar há quarenta anos, quando assumi o ministério em um pobre distrito eclesiástico rural, e uma grande parte da minha vida ministerial foi gasta na pregação aos trabalhadores e agricultores. 

Sei da enorme dificuldade de pregar para tais ouvintes, de fazê-los entender o significado e prender a sua atenção. No que diz respeito à linguagem e estrutura, deliberadamente digo que preferiria pregar na Universidade de Oxford ou Cambridge, ou no Templo, ou no Lincoln’s Inn, ou no Palácio de Westminster, do que ter que falar a uma congregação agrícola em uma bela e quente tarde no mês de Agosto. 

Eu ouvi de um trabalhador que ele gostava do domingo mais do que qualquer outro dia da semana, – “Porque”, disse ele: “Sento-me confortavelmente na igreja, acomodo minhas pernas, não tenho que pensar em nada e simplesmente durmo”. Alguns dos meus amigos mais jovens no ministério podem algum dia, assim como eu, serem chamados para pregar em uma dessas congregações, e ficarei contente se eles puderem lucrar com a minha experiência...

Simplicity in Preaching

J. C. Ryle

Solomon says, in the book of Ecclesiastes, "Of making many books there is no end" (12:12). There are few subjects about which that saying is more true than that of preaching. 

The volumes which have been written in order to show ministers how to preach are enough to make a small library. In sending forth one more little treatise, I only propose to touch one branch of the subject. I do not pretend to consider what should be the substance and matter of a sermon. 

I purposely leave alone such points as "gravity, unction, liveliness, warmth," and the like, or the comparative merits of written or extemporaneous sermons. 

I wish to confine myself to one point, which receives far less attention than it deserves. That point is simplicity in language and style. I ought to be able to tell my readers something about "simplicity," if experience will give any help. I began preaching forty-five years ago, when I first took orders in a poor rural parish, and a great portion of my ministerial life has been spent in preaching to laborers and farmers. 

I know the enormous difficulty of preaching to such hearers, of making them understand one's meaning, and securing their attention. So far as concerns language and composition, I deliberately say that I would rather preach before the University at Oxford or 
Cambridge, or the Temple, or Lincoln's Inn, or the Houses of Parliament, than I would address an agricultural congregation on a fine hot afternoon in the month of August. 

I have heard of a laborer who enjoyed Sunday more than any other day in the week, "Because," he said, "I sit comfortably in church, put up my legs, have nothing to think about, and just go to sleep." Some of my younger friends in the ministry may some day be called to preach to such congregations as I have had, and I shall be glad if they can profit by my experience...

Nenhum comentário: